ISSN 1806-9312  
Segunda, 15 de Setembro de 2014
Listagem dos arquivos selecionados para impressão:
Imprimir:
1010 - Vol. 37 / Edição 2 / Período: Maio - Agosto de 1971
Seção: - Páginas: 231 a 233
Miíase em Otorrinolaringologia*
Autor(es):
Antonio Francisco Gobbi 1
Massao Itano 2

I - Introdução:

Miíase é a infestação de larvas de môscas (Cochlioma mocellaria) no tecido celular sub-cutâneo ou nas mucosas; pode ocorrer em várias regiões do organismo; a ocorrência de miíase em O. R. L. é rara.

A finalidade dêste trabalho é demonstrar que apesar de medidas profiláticas, ainda existem em nosso Estado, casos de miíases, relatando a conduta terapêutica adotado nos doentes atendidos durante o ano de 1970, no Pronto Socorro de O. R. L. do Hospital das Clínicas de São Paulo.

II - Material e Método:

O presente trabalho se baseia em 15 doentes atendidos no Pronto Socorro de O. R. L. do Hospital das Clínicas da F.M.U.S.P. durante o ano de 1970. Estes pacientes estão distribuídos:

1 - Quanto ao Sexo:


2 - Quanto à Raça:


3 - Quanto ao Grupo Etário:


4 - Quanto à Ocorrência de Miíase durante o ano:


5 - Quanto aos Sinais, Sintomas e Exames O.RL.


6 - Quanto ao Diagnóstico:

O diagnóstico é feito pela anamnese e pelo exame O.R.L.

7 - Quanto ao Tratamento:

O tratamento consistiu:
1 - Remoção mecânica simples das larvas.
2 - Aplicação tópica de calomelano em pó, seguido de remoção das larvas.
3 - Aplicação intra-muscular ou endovenosa de oxicianureto de mercúrio, seguido de remoção das larvas.
4 - Antibioticoterapia sistêmica e tópica.
5 - Anti-inflamatórios e analgésicos.

Quatro casos de miíase (3 de nariz e 1 de ouvido) foram tratados sòmente com remoção mecânica das larvas, enquanto que, em 6 casos (4 de nariz e 2 de ouvido) foram removidos, após aplicação tópica de calomelano.

Em 5 casos (3 de nariz e 2 de ouvido) foram tratados com oxicianureto de mercúrio (aplicação endovenosa), seguida de remoção das larvas.

III - Resultados:

Foram obtidos bons resultados. Numa evolução de 30 dias, não foi visto, em nenhum dos casos, sinais de reinfestação.

IV - Discussão:

Um número alto de miíase no nariz (1 caso) e nos ouvidos (5 casos) foi atendido durante o ano de 1970 no Pronto Socorro de O.R.L. no Hospital das Clínicas.

A maioria dos autores não fazem menção quanto à raça e o sexo. No nosso material foi observado equilíbrio de casos em ambos os sexos, tanto nos ouvidos, como no nariz.

Quanto à raça, houve predominância da branca sôbre a negra e nenhum caso na raça amarela. Quanto ao grupo etário, observou-se que houve predominância de casos entre 0 e 10 anos, tanto no nariz (3 casos) como nos ouvidos (3 casos) e também acima de 60 anos de idade (2 no nariz e 1 no ouvido).

O tratamento adotado no Hospital das Clínicas tanto na miíase nasal ou auricular é aquêle preconizado por Hungria e consiste:

1 - Remoção mecânica das larvas.
2 - Aplicação tópica de calomelano, seguido de remoção das larvas.
3 - Aplicação parenteral de oxicianureto de mercúrio, seguido de remoção das larvas.
4 - Antibioticoterapia tópica e sistêmica.
5 - Anti-inflamatórios e analgésicos.

É interessante salientar que sòmente 1 paciente, com miíase nasal, tenha ficado internado 24 oras, devido ao seu mal estado geral.

Os resultados obtidos com êste esquema terapêutico foram satisfatórios, não se observando, to seguimento de 1 mês, nenhuma complicação ou reinfestação das larvas.

V - Conclusão:

O estudo de 15 casos de miíase permite concluir:
1.º) Houve maior incidência de miíase nasal que miíase otológica.
2.º) No grupo etário, entre 0 e 10 anos, incidiu maior número de casos de miíase, tanto no nariz como nos ouvidos.
3.º) O tratamento com calomelano com e/ou oxianureto de mercúrio, com remoção mecânica, foi satisfatório.

VI - Sumário:

Os autores estudam 15 casos de miíases atendidos no Pronto Socorro de O.R.L. do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, durante o ano de 1970. Analisam e discutem o material quanto à raça, sexo e idade, diagnóstico e terapêutica.

VII - Summary:

The AA studied 15 patients with Myíasis atender at P.S.O.R.L., of Hospital das Clínicas of USP. ring 1970.
They discussed anca analysed the diagnoses and the therapeutic resultis coucerning to the rate, and age.

VIII - Referências Bibliográficas:

1. Albernaz, P. M. - "Otorrinolaringologia Prática". São Paulo. Saraiva-Xavier Ed. Livros Med. Ltda. 1966.
2. Bathia, M. L., etal. - "Mytasis of the tracheostomy Wound". J. Laryng. 79:907-911, 1965.
3. Bhowmiek, S. K. - "Rhinonagia duo to maggots in the nasal cavity" J. Ind Med Ass 45:205-206, 1965.
4. Guimarães, S. A., Marzda, C., Okmnoto, T. - "Myíasis of the oral cavity" Hospital (Rio) 1173-1180, 1963.
5. Harrison, B. A., Pearson, W. CF. - "Acaso aural myíasis causeil by Cocliliomya mofiaria (Fasuicius)" Milit. Med. 133:4845 1968.
6. Hungria, H. - "Manual de Otorrinolaringologia" Rio de Janeiro, Ed. Koogun-Guanabara, 1960.
7. Keller, A. P. etal.. - Myíasis of the middle ear". Laryngoscope 84:646-650, 1970.
8. Mazza, A. - "Tratamento das miíasís pelo óleo canforado". Rev. Bras. Otorrinolaring. 33:41, 1965.
9. Nevill, E. M. etal - "A case of nasal myíasis caused by the lavral, of Telmatoscopus albipunctatis (Willistou) (Diptera psychodidae). S. Ap. Med. J. 43:512-513, 1969.
10. Sehreiber, M. M. etal - "Human myíasis". DAMA-188:828-829, 1964.
11. Soest, H. H. vou; Thiel, P. H. - vou - "myíasi in mau in North Eat Sumatra-Trop. Geog. Med.
12. Spahr, A. - "A case of myasis in a child". Nev. Med. Suisse 82:75-726, 1962.




* Trabalho realizado na Clínica O.R.L. do Hospital das Clínicas da F.M.U.S.P.
1 Médico-Residente.
2 Médico-Assistente
Indexações: MEDLINE, Exerpta Medica, Lilacs (Index Medicus Latinoamericano), SciELO (Scientific Electronic Library Online)
Classificação CAPES: Qualis Nacional A, Qualis Internacional C


Imprimir:
Todos os direitos reservados 1933 / 2014 © Revista Brasileira de Otorrinolaringologia