ISSN 1806-9312  
Quarta, 30 de Julho de 2014
Listagem dos arquivos selecionados para impressão:
Imprimir:
2522 - Vol. 66 / Edição 6 / Período: Novembro - Dezembro de 2000
Seção: Artigos Originais Páginas: 592 a 596
TELE-RADIOGRAFIA LATERAL DE CRÂNIO E RADIOGRAFIA. DE CAVUM: ESTUDO COMPARATIVO EM CRIANÇAS COM OBSTRUÇÃO NASAL.
Autor(es):
Cláudio M. Y. Ikino*,
Walmir E. P. A. D'Antonio*,
Rodrigo A. C. de la Cortina*,
Marcus Lessa**,
Arthur M. Castilho**,
Elder Y. Goto**,
Ossamu Butugan***,
Terezinha S. Amaral ****.

Palavras-chave: adenóide, parte nasal da faringe, obstrução nasal, radiologia

Keywords: adenoid, nasopharyngeal airway, nasal obstruction, radiology

Resumo: Introdução: A obstrução nasal é queixa freqüente na clínica diária, sendo a hipertrofia da tonsila faríngea (adenóide) uma das causas principais em crianças. A avaliação radiológica da parte nasal da faringe (rinofaringe) é exame não invasivo, de acesso universal e objetivo, existindo vários trabalhos que mostram correlação entre os achados radiográficos, o quadro clínico e o volume de adenóide retirado em cirurgia. Objetivo: O objetivo do estudo foi o de comparar a radiografia de cavum (RC) e a telerradiografia lateral de crânio MO na avaliação de crianças com obstrução nasal. Material e método: Foram estudados 26 pacientes entre três a 11 anos de idade com quadro de obstrução nasal e/ou respiração bucal há mais de três meses, submetidos às duas técnicas radiológicas em estudo no mesmo dia, analisadas pelo método de Cohen e Konak (permeabilidade da via aérea) e com relação ao posicionamento do paciente. Resultados: A idade média dos pacientes foi de 6,4 anos, sendo 16 do sexo feminino e 10 do masculino, sendo encontrada concordância na análise da permeabilidade da parte nasal da faringe em ambos os exames, em 73,1% dos casos. Em 61,5% das RC havia alteração no posicionamento do paciente. Conclusão: Os autores concluem que a TLC deve ser o exame radiológica de escolha na avaliação de crianças com obstrução nasal, pois avaliam a parte nasal da faringe como a RC, porém com a vantagem de posicionamento adequado do paciente na maioria dos casos.

Abstract: Introduction: Nasal obstruction is a common complaint in daily practice and adenoidal obstruction is one of the main causes of that in childhood. Radiological assessment constitutes a noninvasive, generally available and objective means of estimating the nasopharynx airway. Some authors describe correlations among radiographic evaluation, clinical and intraoperative findings. Purpose: This study intends to compare lateral teleradiograph of cranium (LTC) and lateral radiograph of the nasopharynx (LRN) in the evaluation of nasal obstruction children. Material e methods: We studied 26 patients between 3 to 11 years old with nasal obstruction and/or mouth breathing for more than 3 months. Both radiographs were taken in the same day and they were evaluated by Cohen and Konak approach. Results: The mean age was 6.4 years and 16 patients were female and 10 male. We found the some interpretation in both radiographs in 73.1% of children. 61.5% of the LRN presented head rotation in the sagital plane. Conclusion: Authors conclude LTC is the radiograph of choice in the nasal obstruction children approach because it evaluates the nasopharynx airway as the LRN but it minimizes changes in head positioning.

INTRODUÇÃO

A obstrução nasal é uma queixa freqüente na clínica otorrinolaringológica diária. Em crianças, principalmente entre os quatro e 15 anos de idade9 encontramos como uma das causas principais a hipertrofia da tonsila faríngea (adenóide)8. O diagnóstico de tal afecção compreende a avaliação da história e exame físico dos pacientes, sendo por vezes necessária a complementação da investigação com exames subsidiários, dentre os quais se destacam os exames radiológicos1, 2, 3, 7, 12 e endoscópicos12.

Um aspecto importante a ser comentado é que os sintomas dos pacientes com hipertrofia de adenóide e a indicação de adenoidectomia por quadro obstrutivo baseiam-se no comprometimento da permeabilidade da parte nasal da faringe (rinofaringe) e não no tamanho absoluto da adenóide1 ,3, 6, 9.

A endoscopia nasal, tanto rígida quanto flexível, permite a visualização direta da parte nasal da faringe, proporcionando a avaliação do tamanho da adenóide e o comprometimento da via aérea pela primeira. No entanto, tal exame não é amplamente acessível, principalmente se considerarmos a realidade da saúde pública em nosso meio, e trata-se de exame invasivo, que pode ser traumático e de difícil realização em paciente não cooperativo2, 12. Já a avaliação radiológica é exame não invasivo, com acesso mais difundido e que permite avaliação objetiva das dimensões da adenóide e do comprometimento da via aérea1-12.

Dentre os exames radiológicos destacamos dois em especial: a radiografia de cavum e a tele-radiografia lateral de crânio. A radiografia de cavum é o exame mais utilizado pelos médicos para avaliação de pacientes com obstrução nasal, visando a avaliação da parte nasal da faringe. A tele-radiografia lateral de crânio é unia técnica radiológica utilizada há vários anos na odontologia para avaliação da oclusão dentária e das vias aéreas superiores, e que vem sendo utilizada nos últimos anos pelos otorrinolaringologistas na avaliação de pacientes com apnéia obstrutiva do sono. Além disto, diversos autores já mostraram que tal técnica permite a avaliação da vegetação adenóide e da parte nasal da faringe; porém, com a utilização de traçado cefalométrico, que elevou os custos do exame e gerou o aparecimento de vários métodos de avaliação3-10.

O objetivo de nosso estudo é comparar a tele-radiografia lateral de crânio, sem o traçado cefalométrico, com a radiografia de cavum em crianças com obstrução nasal, utilizando o método descrito por Cohen e Konak (1985) 1.

MATERIAL E MÉTODO

Realizou-se estudo prospectivo de 26 crianças atendidas na Divisão de Clínica Otorrinolaringológica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), submetidas a anamnese e exame físico otorrinolaringológico completos, cuja queixa principal era de obstrução nasal e/ou respiração bucal com mais de três meses de duração, com idade entre três e 11 anos, no período de janeiro a agosto de 1999. A todos os pacientes solicitaram-se radiografia de cavum e tele-radiografia lateral de crânio, que eram realizados no mesmo dia. A radiografia de cavum foi realizada com o paciente em posição ereta, em perfil, com os raios dirigidos no nível do palato duro. A tele-radiografia lateral de crânio foi realizada com o paciente em posição ereta, em perfil, com a cabeça fixada pelo cefalostato no nível dos meatos acústicos externos.

A análise dos exames foi realizada por dois dos autores (CMYI e WEPAD) ao mesmo tempo, firmando uma única análise. Os exames tinham a identificação ocluída para a avaliação dos examinadores e a radiografia de cavum e a teleradiografia lateral de crânio de um dado paciente eram avaliadas em momentos distintos. Ambos os exames foram avaliados com relação a permeabilidade da via aérea da parte nasal da faringe, com base no método de Cohen e Konak1: 1+ - espessura da coluna aérea maior que a do palato mole (1 cm abaixo da porção superior); 2+ - espessura da coluna aérea menor que a do palato mole; porém, maior que a metade da espessura deste último; 3+ - espessura da coluna aérea menor que a metade da espessura do palato mole. Outro dado observado foi a rotação da cabeça do paciente no plano sagital, sendo considerado como "rodado" o exame cujos ramos da mandíbula apresentassem separação maior do que 3 mm.

A análise estatística foi realizada utilizando-se o Teste de Qui-Quadrado, com nível de significância de 5% (p<0,05).

RESULTADOS

Foram avaliadas 26 crianças, com idade média de 6,4 anos, com idade variando de três a 11 anos, sendo 16 do sexo feminino e 10 do masculino. A distribuição dos pacientes segundo a idade e sexo é apresentada na Figura 1.

A avaliação da via aérea segundo o grau de obstrução na radiografia de cavum e na tele-radiografia lateral de crânio é apresentada na Figura 2.

Houve concordância com relação a permeabilidade da via aérea na parte nasal da faringe entre as duas técnicas realizadas em 19 (73,1%) pacientes, sendo estatisticamente significativa (x2= 5,538; p<0,02) com relação aos 7 (26,9%) exames onde não ocorreu tal concordância.

Em 16 (61,5%) radiografias de cavum houve alteração no posicionamento do paciente, sendo considerado "rodado", no entanto não foi estatisticamente significativa (x2 - 1,385; 0,1<0,2); em 10 (38,5%) radiografias de cavum o posicionamento estava adequado. Na tele-radiografia lateral de crânio não houve alteração de posicionamento.

Nas Figuras 3 e 4 mostramos um exemplo de radiografia de cavum e tele-radiografia lateral de crânio, respectivamente, onde há coincidência na avaliação da coluna da parte nasal da faringe.



Figura 1. Distribuição dos pacientes segundo o sexo e a idade.



Figura 2. Avaliação da permeabilidade da parte nasal da faringe.



Figura 3. Radiografia de cavum - redução da coluna aérea da parte nasal da faringe 1+.



Figura 4. Tele-radiografia lateral de crânio - redução da coluna aérea da parte nasal da faringe 1+.



Nas Figuras 5 e 6 mostramos um exemplo de radiografia de cavum e tele-radiografia lateral de crânio, respectivamente, onde não há coincidência na avaliação da coluna ¡aérea da parte nasal da faringe.

DISCUSSÃO

O estudo radiológico da parte nasal da faringe é importante como avaliação objetiva do tamanho da adenóide e da permeabilidade das vias aéreas9, 10. Paradise e colaboradores (1998) consideram a avaliação radiológica como padrão ouro por causa do acesso generalizado, sua objetividade, não invasibilidade e sua correlação com o volume de adenóide removido em cirurgias. Jeans e colaboradores (1981) comparam os achados cefalométricos com o volume de adenóide removido em cirurgia, encontrando correlação entre os mesmos6.



Figura 5. Radiografia de cavum - redução da coluna aérea da parte nasal da faringe 3+.



Figura 6. Tele-radiografia -lateral de crânio - redução da coluna aérea da parte nasal da faringe 2+.



Elwany (1987)3 e Kemaloglu e colaboradores (1999)7 compararam os achados clínicos com os cefalométricos, também encontrando correlação entre os mesmos. Nestes estudos; os autores excluíram pacientes com outras causas de obstrução nasal, como rinite, desvio septal e condições gerais não satisfatórias7. Cohen e colaboradores (1992) encontraram correlação entre a radiografia de cavum e os achados intraoperatórios em 85%, de seus pacientes2.

Existem alguns parâmetros descritos para a avaliação da via aérea e da adenóide em exames radiológicos, a maioria através de traçados cefalométricos. No entanto, tais métodos não são utilizados na prática clínica diária por apresentarem custos elevados, não estarem facilmente acessíveis e haver divergência entre os autores com relação aos diversos métodos descritos3.

Holmberg e Linder-Aronson (1979) encontraram correlação entre o tamanho da adenóide, a avaliação clínica realizada por otorrinolaringologista e a avaliação semi-quantitativa da tele-radiografia lateral de crânio5. Cohen e Konak (1985) avaliaram os métodos de análise da tele-radiografia lateral de crânio descrita por seis autores (Johannesson, Marau, Fujioka, Hilbert, Sorensen e Crepeau) e concluíram que tais métodos não são nem fáceis nem rápidos o suficiente para serem utilizados comumente, uma vez que envolvem traçados e medidas diversas nem sempre possíveis de serem realizados na dependência da qualidade da radiografia'. Assim, Cohen e Konak (1985) propuseram um método mais simples de avaliação, baseando-se na análise da coluna aérea da parte nasal da faringe1. Wornald e Prescott (1992) mostraram que a avaliação radiológica que melhor se correlacionava com os achados endoscópicos era a de Cohen e Konak11.

Em nosso estudo, avaliamos a radiografia de cavum e a telerradiografia lateral de crânio com base no método de Cohen e Konak. Encontramos que a avaliação da coluna aérea da parte nasal da faringe coincidiu em ambas as técnicas radiológicas em 72,1% dos casos. Verificamos que 61,5% das radiografias de cavum apresentavam alteração de posicionamento do paciente e que, apesar de não apresentar significado estatístico em relação aos exames com posicionamento correto, distoa da telerradiografia onde nenhum exame apresentou tal alteração. Isto ocorreu, pois, na tele-radiografia lateral de crânio o paciente encontra-se no momento do exame em posição ereta, com os dentes em oclusão, os lábios em repouso, com a cabeça fixada pelo cefalostato e por fixação a nível dos meatos acústicos externos. Tal fixação permite manter a cabeça fixada em posição reprodutível e impede a rotação cefálica no plano sagital4, 6, 7. Outro dado a ser comentado é que os custos da tele-radiografia lateral de crânio sem o traçado cefalométrico são menores ou similares aos da radiografia de cavum.

CONCLUSÕES

1. A tele-radiografia lateral de crânio é um exame tão bom quanto a radiografia de cavum na avaliação da coluna aérea da parte nasal cia faringe em crianças;

2. A técnica da tele-radiografia lateral de crânio é superior a da radiografia de cavum, uma vez que o posicionamento da cabeça do paciente é sempre a mesma por estar fixa, evitando variações no plano sagital e transverso e permitindo análise mais segura da via aérea, sem artefatos produzidos pela rotação da cabeça, sendo dado este importante quando se trata de exame realizado em crianças que nem sempre mantêm o posicionamento desejado;

3. Por fim, com base nessas conclusões, propomos a utilização da tele-radiografia lateral de crânio, em lugar da radiografia de cavum, em crianças com obstrução nasal.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. COHEN, D.; KONAK, S. - The Evaluation of Radiographs of the Nasopharynx, Clin. Otolaryngol., 10 (2): 73-8, 1985.
2. COHEN, L. M.; KOLTAI, P. J.; SCOTT, J. R. - Lateral Cervical Radiographs and Adenoid Size: Do They Correlate? ENT Journal, 71 (12): 638-42, 1992.
3. ELWANY, S. -The Adenoidal-Nasopharyngeal Ratio (NA Ratio), J. Laryngol. Otol., 101: 569-73, 1987.
4. GIOVANETTI, R. A. - Mensuração da Parte Nasal da Faringe em Pacientes com Hipertrofia da Tonsila Faringea. Estudo Cefalométrico em Criança. São Paulo, 1998, 24-77 (Tese de Doutorado - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo).
5. HOLMBERG, H.; LINDER-ARONSON, S. - Cephalometric Radiographs as a Means of Evaluating the Capacity of the Nasal and Nasopharyngeal Airway, Am. J. Orthod., 76(5): 479-90,1979.
6. JEANS, W. D.; FERNANDO, D. C. J.; MAW, A. R. - How Should Adenoidal Enlargement be Measured ? A Radiological Study Based on Interobserver Agreement, Clin. Radiol., 32: 337-40, 1981.
7. KEMALOGLU, Y. K.; GOKSU, N.; INAL, E.; AKYILDIZ, N. - Radiographic Evaluation of Children with Nasopharyngeal Obstruction due to the Adenoid, Ann. Otol. Rhinol. Laryngol., 108: 67-72, 1999.
8. PARADISE, J. L.; BERNARD, B. S.; COLBORN, K.; JANOSKY, J. E. -Assessment of Adenoidal Obstruction in Children: Clinical Signs Versus Roentgenographic Findings, Pediatrics, 101(6): 979-86, 1998.
9. POOLE, M. N.; ENGEL, G. A.; CHACONAS, S. J. - Nasopharyngeal cephalometrics, Oral. Surg. Oral. Med. Oral. Pathol., 49 (3): 266-71, 1980.
10. WEIMERT, T. A. - Evaluation of the Upper Airway in Children, ENT Journal, 66:196-200, 1987.
11. WORMALD, P. J.; PRESCOTT, C. A. J. - Adenoids: Comparison of Radiological Assessment Methods with Clinical and Endoscopic Findings, J. Laryngol. Otot., 106: 342-4, 1992.
12. YANAGISAWA, E.; YANAGISAWA, K. - Endoscopic View of Adenoids, ENT Journal, 73 (2): 74-5, 1994.




* Médico Estagiário da Divisão de Clínica Otorrinolaringológica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
** Médico Residente da Divisão de Clínica Otorrinolaringológica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
*** Professor Associado da Disciplina de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
**** Dentista Assistente da Divisão de Odontologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Trabalho realizado na Divisão de Clínica Otorrinolaringológica (Serviço do Professor Aroldo Miniti) e no Instituto de Radiologia (Serviço do Professor Giovanni G. Cerri), do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
Endereço para correspondência: Cláudio Márcio Yudi Ikino - Rua Las Palmas, 201 - Americanópolis 04339-000 São Paulo/ SP - Telefone: (0xx11) 5588-0714 - E-mail: claudioikino@hotmail.com
Artigo recebido em 9 de novembro de 1999. Artigo aceito em 19 de janeiro de 2000.
Indexações: MEDLINE, Exerpta Medica, Lilacs (Index Medicus Latinoamericano), SciELO (Scientific Electronic Library Online)
Classificação CAPES: Qualis Nacional A, Qualis Internacional C


Imprimir:
Todos os direitos reservados 1933 / 2014 © Revista Brasileira de Otorrinolaringologia